domingo, 3 de junho de 2018

Até breve, porque a vida necessita de pausas



Imagem obtida em “O Cantinho da Janita”


ATÉ BREVE!


Por motivos de “agenda” a Página do Facebook, o Google + e o Blogue “Papa Léguas Portugal – Autocaravanismo” ficam suspensos até 15 de Setembro de 2018.

Para todos vão os meus votos de Boas Viagens e


Saudações Autocaravanistas



sábado, 2 de junho de 2018

Apontamentos de Viagem - Distrito Viseu (Em vídeo)





Apontamentos de Viagem

Distrito de Viseu


Imagens obtidas no Distrito de Viseu

IMAGENS:
Serra da Gralheira (Concelho de Oliveira de Frades, Concelho de São Pedro do Sul e Concelho de Sever do Vouga.

Estes Apontamentos incidiram sobre o Concelho de Penedono (2002) e Concelho de Tondela (2000)

Com estes Apontamentos pretende-se incentivar visitas turísticas, pois nenhuma imagem substitui a descoberta presencial.





(Sugere-se que visualize o vídeo em “Ecrã Inteiro” para o que deve “clicar” no símbolo localizado no canto inferior direito do vídeo.)





sexta-feira, 1 de junho de 2018

Dia da Criança



Imagem obtida em “fatosdesconhecidos.com.br”




DIA DA CRIANÇA


O Dia Internacional dos Direitos das Crianças comemora-se anualmente a 20 de Novembro. Já o Dia Mundial da Criança é celebrado em diferentes datas em diferentes países. Em Portugal celebra-se a 1 de Junho. HOJE!


A Declaração dos Direitos das Crianças teve origem na constatação, feita após o fim da 2ª Grande Guerra, de que as crianças eram as principais vítimas das guerras. E continuam a ser. Soube-se, no final do passado mês de Março, que na Síria, desde o início do ano, morreu, em média, uma criança por hora.


A leitura dos Direitos da Criança não irá, seguramente, evitar as violências que se continuam a praticar sobre as crianças, contudo, pode constituir o assumir de uma maior consciência relativamente a TODAS as crianças do mundo e não só de Portugal.


DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA


Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas n.º 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959.


DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA


Preâmbulo


Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua fé nos direitos fundamentais, na dignidade do homem e no valor da pessoa humana e que resolveram favorecer o progresso social e instaurar melhores condições de vida numa liberdade mais ampla;
Considerando que as Nações Unidas, na Declaração dos Direitos do Homem, proclamaram que todos gozam dos direitos e liberdades nela estabelecidas, sem discriminação alguma, de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, fortuna ou outra situação;
Considerando que a criança, por motivo da sua falta de maturidade física e intelectual, tem necessidade uma protecção e cuidados especiais, nomeadamente de protecção jurídica adequada, tanto antes como depois do nascimento;
Considerando que a necessidade de tal protecção foi proclamada na Declaração de Genebra dos Direitos da Criança de 1924 e reconhecida na Declaração Universal dos Direitos do Homem e nos estatutos de organismos especializados e organizações internacionais preocupadas com o bem-estar das crianças;
Considerando que a Humanidade deve à criança o melhor que tem para dar,


A Assembleia Geral


Proclama esta Declaração dos Direitos da Criança com vista a uma infância feliz e ao gozo, para bem da criança e da sociedade, dos direitos e liberdades aqui estabelecidos e com vista a chamar a atenção dos pais, enquanto homens e mulheres, das organizações voluntárias, autoridades locais e Governos nacionais, para o reconhecimento dos direitos e para a necessidade de se empenharem na respectiva aplicação através de medidas legislativas ou outras progressivamente tomadas de acordo com os seguintes princípios:


Princípio 1.º
A criança gozará dos direitos enunciados nesta Declaração. Estes direitos serão reconhecidos a todas as crianças sem discriminação alguma, independentemente de qualquer consideração de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou outra da criança, ou da sua família, da sua origem nacional ou social, fortuna, nascimento ou de qualquer outra situação.


Princípio 2.º
A criança gozará de uma protecção especial e beneficiará de oportunidades e serviços dispensados pela lei e outros meios, para que possa desenvolver-se física, intelectual, moral, espiritual e socialmente de forma saudável e normal, assim como em condições de liberdade e dignidade. Ao promulgar leis com este fim, a consideração fundamental a que se atenderá será o interesse superior da criança.


Princípio 3.º
A criança tem direito desde o nascimento a um nome e a uma nacionalidade.


Princípio 4.º
A criança deve beneficiar da segurança social. Tem direito a crescer e a desenvolver-se com boa saúde; para este fim, deverão proporcionar-se quer à criança quer à sua mãe cuidados especiais, designadamente, tratamento pré e pós-natal. A criança tem direito a uma adequada alimentação, habitação, recreio e cuidados médicos.


Princípio 5.º
A criança mental e fisicamente deficiente ou que sofra de alguma diminuição social, deve beneficiar de tratamento, da educação e dos cuidados especiais requeridos pela sua particular condição.


Princípio 6.º
A criança precisa de amor e compreensão para o pleno e harmonioso desenvolvimento da sua personalidade. Na medida do possível, deverá crescer com os cuidados e sob a responsabilidade dos seus pais e, em qualquer caso, num ambiente de afecto e segurança moral e material; salvo em circunstâncias excepcionais, a criança de tenra idade não deve ser separada da sua mãe. A sociedade e as autoridades públicas têm o dever de cuidar especialmente das crianças sem família e das que careçam de meios de subsistência. Para a manutenção dos filhos de famílias numerosas é conveniente a atribuição de subsídios estatais ou outra assistência.


Princípio 7.º
A criança tem direito à educação, que deve ser gratuita e obrigatória, pelo menos nos graus elementares. Deve ser-lhe ministrada uma educação que promova a sua cultura e lhe permita, em condições de igualdade de oportunidades, desenvolver as suas aptidões mentais, o seu sentido de responsabilidade moral e social e tornar-se um membro útil à sociedade. O interesse superior da criança deve ser o princípio directivo de quem tem a responsabilidade da sua educação e orientação, responsabilidade essa que cabe, em primeiro lugar, aos seus pais. A criança deve ter plena oportunidade para brincar e para se dedicar a actividades recreativas, que devem ser orientados para os mesmos objectivos da educação; a sociedade e as autoridades públicas deverão esforçar-se por promover o gozo destes direitos.


Princípio 8.º
A criança deve, em todas as circunstâncias, ser das primeiras a beneficiar de protecção e socorro.


Princípio 9.º
A criança deve ser protegida contra todas as formas de abandono, crueldade e exploração, e não deverá ser objecto de qualquer tipo de tráfico. A criança não deverá ser admitida ao emprego antes de uma idade mínima adequada, e em caso algum será permitido que se dedique a uma ocupação ou emprego que possa prejudicar a sua saúde e impedir o seu desenvolvimento físico, mental e moral.


Princípio 10.º
A criança deve ser protegida contra as práticas que possam fomentar a discriminação racial, religiosa ou de qualquer outra natureza. Deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade entre os povos, paz e fraternidade universal, e com plena consciência de que deve devotar as suas energias e aptidões ao serviço dos seus semelhantes.

 

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Autocaravanismo e Turismo Alentejano



Imagem obtida no Blogue “www.visitalentejo.pt”



Autocaravanismo e Turismo Alentejano
(Uma boa notícia? Talvez sim, talvez não)

A Rádio Campanário noticiou em exclusivo no passado dia 21 de Maio que a Secretária de Estado do Turismo (SET), Ana Mendes Godinho, na presença do o presidente da Entidade Regional do Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT-Alentejo e Ribatejo), António Ceia da Silva, se pronunciou favorável à implementação de “uma rede de estações de serviço de autocaravanismo” no Alentejo (ver AQUI).

Nada se me oferece dizer em contrário a esta consideração política da Secretária de Estado desde que a sugestão não venha a ter como contrapartida a discriminação negativa dos veículos autocaravanas, ou seja, a proibição de estacionar em qualquer lugar, em conformidade com o Código da Estrada e em igualdade com outros veículos de igual ou semelhante gabarito.

Talvez fosse bom que sobre esta matéria se fizesse chegar ao conhecimento da Secretária de Estado (e não só) as posições do Comando Geral da Guarda Nacional Repúblicana (ver AQUI), da Direcção de Operações da Divisão de Trânsito e Segurança Rodoviária da Guarda Nacional Repúblicana (ver AQUI), da Unidade de Prevenção Rodoviária da Autoridadade Nacional de Segurança Rodoviária (ver AQUI), e do Gabinete da Ministra da Administração Interna (ver AQUI) e, não menos importante, a Declaração de Princípios (ver AQUI) subscrita por diversas entidades entre as quais a “Associação Autocaravanista de Portugal - CPA”

Não é aceitável que da implementação de Áreas de Serviço de Autocaravanas no Alentejo e Ribatejo possa vir a ser, na prática, a implementação de guetos, de locais onde os autocaravanistas sejam obrigados a estacionar.

A ver vamos.


(O autor, todas as Quintas-feiras, no Blogue do Papa Léguas Portugal, emite uma opinião sobre assuntos relacionados com o autocaravanismo (e não só) – AQUI)



quarta-feira, 30 de maio de 2018

Apontamentos de Viagem - Distrito Vila Real (Em vídeo)





Apontamentos de Viagem

Distrito de Vila Real


Imagens obtidas no Distrito de Vila Real

Estes Apontamentos incidiram sobre o Concelho de Alijó (Pinhão – 2000 e 2002), Concelho de Chaves (2002), Concelho de Mesão Frio (2002), Concelho de Montalegre (Serra do Gerez - 2002) e Concelho de Peso da Régua (2002).

Com estes Apontamentos pretende-se incentivar visitas turísticas, pois nenhuma imagem substitui a descoberta presencial.





(Sugere-se que visualize o vídeo em “Ecrã Inteiro” para o que deve “clicar” no símbolo localizado no canto inferior direito do vídeo.)




terça-feira, 29 de maio de 2018

HOMENAGEM A ZECA AFONSO (Parte 13 de 13)






HOMENAGEM A ZECA AFONSO

(Parte 13 de 13)

(Trecho da biografia de José Afonso transcrito da AJA)

(Continuação)


José Afonso...

Em 1983 José Afonso é reintegrado no ensino oficial, tendo sido destacado para dar aulas de História e de Português na Escola Preparatória de Azeitão. Tinha sido expulso em 1968. A doença, agrava-se.

Em 1985 é editado o último álbum, Galinhas do Mato. José Afonso já não consegue cantar todos os temas, sendo substituído por Luís Represas («Agora»), Helena Vieira («Tu Gitana», Janita Salomé («Moda do Entrudo», «Tarkovsky» e «Alegria da Criação»), José Mário Branco («Década de Salomé», em dueto com Zeca), Né Ladeiras («Benditos») e Catarina e Marta Salomé («Galinhas do Mato»). Arranjos musicais de Júlio Pereira e Fausto. Outras canções do álbum: «Escandinávia Bar-Fuzeta» e «À Proa».

Em 1986 apoia a candidatura presidencial de Maria de Lourdes Pintassilgo, católica progressista.

José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de 1987, no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada em 1982. O funeral realizou-se no dia seguinte, com mais de 30 mil pessoas, da Escola Secundária de S. Julião para o cemitério da Senhora da Piedade, em Setúbal, onde a urna foi depositada às 17h30 na sepultura 1606 do quadro 19. O funeral demorou duas horas a percorrer 1300 metros. Envolvida por um pano vermelho sem qualquer símbolo, como pedira, a urna foi transportada, entre outros, por Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Mário Branco, Luís Cília, Francisco Fanhais. A Transmédia editou o triplo álbum, o primeiro da história discográfica portuguesa, Agora e Sempre, duas semanas depois da morte do cantor. O triplo disco é constituído pelos álbuns Como Se Fora Seu Filho (1983) e Galinhas do Mato (1985) e por um alinhamento diferente de Ao Vivo no Coliseu (1983). A 18 de Novembro é criada a Associação José Afonso com o objectivo de ajudar a realizar as ideias do compositor e intérprete no campo das Artes.





(Sugere-se que visualize o vídeo em “Ecrã Inteiro” para o que deve “clicar” no símbolo localizado no canto inferior direito do vídeo.)



Mantenha viva a memória do Zeca. Faça-se sócio da AJA


segunda-feira, 28 de maio de 2018

Apontamentos de Viagem - Distrito Viana do Castelo (Em vídeo)





Apontamentos de Viagem

Distrito de Viana do Castelo


Imagens obtidas no Distrito de Viana do Castelo

Estes Apontamentos incidiram sobre o Concelho de Arcos de Valdevez (Gavieira - Santuário da Senhora da Peneda – 2002 e Soajo - 2002), Concelho de Melgaço (Castro Laboreiro – 2002, Parque do Peso – 2002 e Termas - 2002), Concelho de Ponte da Barca (Lindoso – 2002 e Ponte da Barca - 2002), Concelho de Ponte de Lima (2002) e Concelho de Viana do castelo (2002)

Com estes Apontamentos pretende-se incentivar visitas turísticas, pois nenhuma imagem substitui a descoberta presencial.





(Sugere-se que visualize o vídeo em “Ecrã Inteiro” para o que deve “clicar” no símbolo localizado no canto inferior direito do vídeo.)