segunda-feira, 18 de março de 2019

Nem de propósito...




Nem de propósito...


Desde há muitos anos que tenho o hábito de aos Sábados comprar o Semanário EXPRESSO e, num café da zona onde resido, aí pelas 10 horas, enquanto como deliciado um pastel de nata e beberrico um café quente e forte, leio o jornal.

As crónicas de Clara Ferreira Alves, Daniel Oliveira e Miguel Sousa Tavares são as primeiras que leio, quase sempre com sentido crítico. Nem sempre concordo com as crónicas que escrevem e, algumas vezes, o meu acordo é parcial. Este Sábado (16 de Março), a tradição cumpriu-se e lá li o que estes “opinion makers” (fazedores de opinião) escreveram. E, nem de propósito, o artigo de Miguel Sousa Tavares (DE COMO A LUTA DE CLASSES VAI MATAR A DEMOCRACIA – Ver AQUI) veio dar (relativa) sustentabilidade ao meu artigo de opinião, sobre o autocaravanismo e os autocaravanistas, que foi escrito no passado dia 14 Março: TRIBUNOS DO ÓDIO (ver AQUI).

Permitam-me, pois, para uma ainda maior compreensão (inclusivo do meu sentir) do que escrevi em “TRIBUNOS do ÓDIO”, transcrever um trecho do artigo de Miguel Sousa Tavares que é muito elucidativo do que se passa nas chamadas redes sociais:


Olhados de perto, todas essas inócuas redes cujos utilizadores juram só aproveitarem para reencontrar os colegas da primária ou fazerem contactos profissionais, constituem um catálogo sabiamente fundado em todos os defeitos da natureza humana, a que, mais tarde ou mais cedo, eles irão sucumbir. Depois, é claro, é conforme a educação e os princípios de cada um. Mas a grande massa dos que ali desaguam, entregue sem freio a si própria, é um espectáculo lastimável do pior da natureza humana. A tal cobardia anónima é, fatalmente, a primeira tentação irresistível: ofender, insultar, mentir, caluniar, difamar, inventar sobre o outro a coberto do anonimato, podendo tudo dizer sem nada arriscar, deve ser uma verdadeira catarse. A seguir vem o exibicionismo (a par do correspondente voyeurismo, para o qual existem os exibicionistas), e a noção de que se é tão mais importante quanto se expõe a vida aos outros, por mais idiota que ela seja.” (Sublinhados da minha responsabilidade)


Outro trecho da mesma crónica de Miguel Sousa Tavares considera que “O povo que vomita opiniões nas redes sociais (...)” é o mesmo que se não dá “(...) ao trabalho de ler livros, jornais, de ouvir os outros, de reflectir sobre os assuntos, de consultar relatórios, estudos, enfim, de ter trabalho com o assunto”. Melhor que ser eu a expor o pensamento do cronista, é lê-lo:


O povo que vomita opiniões nas redes sociais, com a mesma facilidade com que vomita perdigotos, é justamente aquele que acredita (...) que tem direito à “democratização da opinião”. E que isso o dispensa de ter uma opinião informada, dando-se ao trabalho de ler livros, jornais, de ouvir os outros, de reflectir sobre os assuntos, de consultar relatórios, estudos, enfim, de ter trabalho com o assunto. Aliás, basta seguir um qualquer debate sobre qualquer tema nas redes sociais para logo perceber que ali ninguém está interessado em debater o que quer que seja nem sequer em convencer o outro: rapidamente qualquer esboço de troca de argumentos descamba para o insulto pessoal mais rasteiro e ordinário. Não há ali sombra de democratização de opinião, de alternativa popular às elites, do que quer que seja que se possa suportar. É a mediocridade e a inveja a arrombarem a porta, já nem sequer da democracia, mas de um mundo simplesmente habitável. E é esta gente, com estes valores e esta educação cívica e política, que elege os Trumps, os Bolsonaros, as Le Pens e os Salvinis.(Sublinhados da minha responsabilidade)


Como te compreendo, meu Caro Miguel Sousa Tavares!



quinta-feira, 14 de março de 2019

TRIBUNOS DO ÓDIO





TRIBUNOS DO ÓDIO


No âmbito do autocaravanismo há quem discorde frontalmente das minhas opiniões e não obstante eu não concordar com o estilo de intervenção escrita que produzem não tenho motivos que me levem a supor que o fazem com objectivos persecutórios. Já o mesmo não se verifica relativamente a outros que regurgitam ódios, acusações falsas e eivadas de contradições (umas mais evidentes do que outras) com objectivos inconfessáveis, muitas vezes, para camuflar os erros que cometeram e continuarem a defender como verdades o que os factos, tantas e tantas vezes, já desmentiram. Infelizmente continua a haver autocaravanistas menos atentos à história do Movimento Autocaravanista de Portugal e que AINDA acreditam nessas mensagens de ódio.

Ao longo de anos tenho sido uma voz incómoda e perturbadora desses arautos através de mais de 500 artigos de opinião publicados neste espaço virtual e em que as ideias prevalecem sobre o carácter das pessoas. Estes artigos de opinião, baseados em factos, desmontam as mentiras e refreiam as tentativas de alterar a história do autocaravanismo em PortugaL.

É uma evidência que os ódios recalcados dessas gentes se dirigiu também contra os campistas ao exigirem, à época, que as associações que pertencessem à FPA não deveriam aceitar autocaravanistas-campistas. Graças à oposição de alguns cidadãos mais conscientes a diabolização do autocaravanismo-campista começou a ser lentamente contida e estrategicamente silenciada, de tal forma que os mesmos que destilavam essas emoções reprováveis hoje já surgem a defender a liberdade de que cada um a cada  momento pratique o tipo de autocaravanismo que mais lhe interesse. A radicalização era de tal modo que alguns, orgulhosamente, afirmavam que não deviam ser instalados toldos nas respectivas autocaravanas porque isso era para os campistas. E até (muitos poucos) passavam das palavras aos actos e retiravam os toldos das autocaravanas.

Há quem me acuse (o que é um absurdo) de ser um “político”. Na realidade todos somos políticos quando falamos dos problemas que existem na sociedade e sobre eles emitimos opiniões. Na realidade, o que eu sou é um cidadão que tem preocupações políticas. Um cidadão que luta para que haja uma definição política para o autocaravanismo enquanto modalidade turística em autocaravavana. A Declaração de Princípios, que não é um documento acabado, mas que se mantem actual passados que são 9 anos, terá dado início a essa luta por um autocaravanismo melhor.


DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS – Pedagogia política do Autocaravanismo

No período anterior a 2010 muito se comentava (estávamos no inicio das redes sociais) sobre os direitos e obrigações dos autocaravanistas, mas nada se encontrava compilado sobre a matéria. Foi com base nesse "falatório" que nasceu a “Declaração de Princípios”, subscrita por diversas entidades entre as quais se contam a “Associação Autocaravanista de Portugal – CPA”, a “Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal”, a Federação Internacional de Campismo, Caravanismo e Autocaravanismo”, a “QUERCUS”, o “CampingCar Portugal” e muitas outras. Esta Declaração ainda hoje causa engulhos a muito boa gente, muito boa gente que se nega a assiná-la, muito boa gente que tem “egos de protagonismo” tão elevados que continuam a rejeitar a “Declaração” com argumentos falaciosos e fúteis, mas que não se coíbem de a utilizar, de a transcrever e de evocar as ideias básicas contidas nesse documento.


CONHECER O PASSADO - Para interpretar o presente

Fazer uma história séria dos acontecimentos pressupõe que se reserve algum tempo para o efeito e, da parte dos interessados na verdade dos factos, a disponibilidade para a lerem sempre de forma crítica. No entanto, os Tribunos do Ódio preferem o caminho do populismo, usando frases curtas nos comentários e observações que fazem, que nada explicam, que normalmente são deturpadoras da verdade e usadas apenas como propaganda. Dizia Paul Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler, que acreditava que "uma mentira repetida mil vezes transforma-se em verdade". Sabemos, por experiência, que as chamadas “fake news” (notícias falsas) que são difundidas na Internet, mesmo que posteriormente desmentidas e com dados que comprovam a sua falsidade, continuam a proliferar e a servir de argumentação. Por isso, muitos já não as desmentem.

Estes indivíduos (os Tribunos do Ódio) ao acusarem-me das mais variadas diatribes (que não comprovam) mais não fazem do que copiar o mau exemplo de Goebbels através da difusão de comentários que são autênticas “fake news”.

E que dizem eles? Muitas coisas que seria fastidioso aqui reportar, contudo, duas prevalecem:

* O CPA seria um trampolim para voos mais altos na minha sede de poder;

* O apoio à FCMP era o caminho por mim seguido para alcançar a Presidência dessa Federação.


PODER – Para que serve?

Quando em 2010 me candidatei à Direcção do CPA fi-lo com base num Programa de Acção que os associados sufragaram ao eleger-me e que eu e os restantes membros da Direcção cumprimos. Foi, tanto quanto me é dado saber, a primeira vez que uma Direcção se candidatou com um Programa de Acção. Os sócios souberam ao que íamos. É com orgulho que afirmo que foi a eleição mais participada de todas na vida do CPA e foi a Direcção que obteve o maior número de votos. Senti e ainda sinto muito orgulho em ter sido Presidente da Direcção do CPA. Não por ser PRESIDENTE. Mas por ter hipóteses de promover alterações estruturais no funcionamento do CPA (que julgo saber ainda hoje se manterem no essencial) e definir uma política autocaravanista de que a Declaração de Princípios foi a pedra basilar. Tudo devido ao Presidente da Direcção? Não! Tudo graças a uma equipa que se esforçava dentro das capacidades de cada um e, especialmente, por terem sido tomadas medidas correctas que melhor serviam os interesses dos autocaravanistas em geral e não apenas e só dos sócios do CPA. É para isto que o poder deve servir. Para alterar para melhor a vida dos autocaravanistas e das associações

Se quisesse (não se trata de soberba, mas de um facto), ainda hoje poderia continuar como Presidente da Direcção do CPA. Não quis por uma questão de princípio. Sempre entendi que dois mandatos, de quaisquer Corpos Gerentes, deviam corresponder ao tempo máximo de exercício numa qualquer associação. Há várias razões para que assim seja, mas não vou aqui explaná-las. Na remodelação estatutária que foi feita, no decorrer do meu 2º mandato, foi consignado o princípio de que nenhum membro dos Corpos Gerentes podia ser eleito para mais de dois mandatos consecutivos. Para quem é acusado, pelos Tribunos do Ódio, de sede de poder e que o CPA poderia servir de trampolim para voos mais altos, está-se mesmo a ver que o condicionamento estatutário de dois mandatos era a medida ideal para o objectivo (tomar o poder pelo poder) de que sou, falsamente, acusado.


SER PRESIDENTE DA FCMP? Os factos desmentem essa acusação.

As acusações, falsas não só porque desprovidas de comprovação, evoluem entretanto, já não para o CPA como alavanca de poder, mas para a Presidência da FCMP.

Na realidade a candidatura ao primeiro mandato do actual Presidente da FCMP foi apoiada por mim e pela Direcção do CPA da altura. A candidatura, desse primeiro mandato, teve como base um Programa de Acção, que suponho ter sido a primeira e única vez que existiu e onde constava um capítulo dedicado ao autocaravanismo. Os princípios que esse capítulo tinha ainda hoje se reflectem de forma abrangente no Movimento Autocaravanista de Portugal e podem ser lidos na Página Virtual da FCMP.

Do Programa de Acção da candidatura do Presidente da FCMP constava também a constituição de uma Comissão de Autocaravanismo, medida que foi proposta pela Direcção do CPA. Realço que no Regulamento da Comissão de Autocaravanismo da FCMP havia o compromisso de a Direcção da Federação ouvir, previamente, a Comissão em qualquer deliberação que respeitasse ao autocaravanismo. Que eu saiba este compromisso nunca foi cumprido.

Constituíram essa primeira Comissão de Autocaravanismo da FCMP apenas pessoas indicadas pelas associações que estavam federadas na FCMP. Foi com o acordo do Presidente da Direcção do CPA actual que o meu nome foi indigitado para pertencer à Comissão de Autocaravanismo da FCMP. Reafirmo que a minha participação na Comissão de Autocaravanismo da FCMP foi feita por indigitação do CPA e não por iniciativa própria. Evidentemente que esteve subjacente o meu desejo de participar.

No decorrer da minha colaboração na Comissão de Autocaravanismo da FCMP mantive sempre informado o Presidente da Direcção do CPA a quem solicitava algumas vezes opinião sobre matérias relacionadas com o autocaravanismo.

Quero também recordar que foi no decorrer da minha participação nessa Comissão de Autocaravanismo da FCMP que se realizou um colóquio em Salvaterra de Magos, onde, por acaso ou talvez não, compareceu uma Delegação do CAI, tendo usado da palavra um actual dirigente da FPA. Nesse Colóquio da FCMP foram bastamente defendidos os princípios constantes da Declaração de Princípios.

Entretanto, possivelmente devido a pressões, sabe-se lá de quem, o Presidente da FCMP decidiu inverter, na prática, toda a filosofia até então seguida, o que me obrigou a tomar a decisão de me demitir de todas as funções que exercia na FCMP. Esta demissão foi concertada com o Presidente da Direcção do CPA, que tomou conhecimento da minha carta. Não era possível outra opção que não fosse a demissão a partir do momento em que a FCMP dava fortes indícios de não querer respeitar o Programa de Acção com que se tinha comprometido.

A minha interligação com o CPA na defesa de uma Política Autocaravanista no seio da FCMP foi pois uma realidade. Após a minha demissão da Comissão de Autocaravanismo o Presidente da FCMP solicitou, sem êxito, ao Presidente do CPA que indicasse um substituto. A recusa do Presidente da Direcção do CPA em me substituir evidenciou que a minha colaboração no seio da FCMP não consubstanciava uma posição pessoal, pois o que estava subjacente à demissão eram as alterações, com que o CPA também não concordava, da Política Autocaravanista que a FCMP encetara. A posição assumida pelo Presidente da Direcção do CPA demonstra cabalmente que estava de acordo com as razões que aduzi e justificaram a minha demissão. E não fui substituído.

Para quem queria ser o futuro Presidente da FCMP, como os Tribunos do Ódio me acusam de querer ser, a minha demissão seguramente não teria sido o melhor caminho para eu alcançar esse objectivo.


E POR AQUI ME FICO

É reprovável que nos espaços onde se analisa a temática autocaravanista se lancem labéus sobre quem quer que seja. Até já ameaças físicas se podem ler porque a isso levam as contínuas mensagens de ódio. Quem o faz, fazendo desses espaços Tribunas de Ódio (quase sempre camuflado) de forma obsessiva-compulsiva e também não comprovando os alegados factos que evocam, não merece credibilidade. Na realidade, essas atitudes, revelam uma pobreza de espírito e uma busca dos tais 5 minutos de glória que precisam, como pão para a boca, para lhes alimentar o ego, a necessidade de obterem a aprovação e o carinho que não conseguem noutros lados.

Estes “casos de estudo” têm da minha parte a compreensão que baste e, perante o exacerbar de ódio irracional, brota em mim um sentimento de pena que justifica o silêncio a que tantas vezes me remeto. Talvez vezes de mais... Mas o que magoa, o que dói, o que perturba é o silêncio dos inocentes.

Não me recordo quem disse...

ESCREVER SEMPRE A VERDADE É COMO TOMAR UM REMÉDIO.
SABE MAL, MAS FAZ BEM




segunda-feira, 4 de março de 2019

Vai viajar? Então, isto é para si.


(Autor desconhecido)


ZONAS AMBIENTAIS


"A COMISSÃO EUROPEIA tenciona elaborar directivas para alcançar uma maior coerência nas diversas zonas ambientais das cidades europeias da União.

A possibilidade de desenvolver um autocolante uniforme para todas as zonas ambientais da Europa também foi examinada.

Enquanto isso, as zonas ambientais estão se espalhando cada vez mais.

Em Paris, por exemplo, actualmente existe uma proibição para veículos a diesel fabricados antes de 2001 e carros a gasolina construídos até 1998 dentro do anel Boulevard Périphérique em dias úteis. Isso se tornará uma proibição permanente a partir de Julho de 2019, com a zona estendida para o anel externo A86. A estrada em si permanecerá fora da zona.

Na Alemanha, uma proibição de diesel foi anunciada pela primeira vez a partir de Julho de 2019 para uma auto-estrada, ou seja, a A40 que atravessa a cidade de Essen e se junta a A67 em Venlo. Este é o resultado de uma decisão judicial. No entanto, mais cidades alemãs deverão introduzir proibições de veículos a diesel antigos em 2019."

Fonte: NKC (NL)
(Traduzido do inglês através do Google Tradutor)


"Existe actualmente confusão na Europa não só em relação aos diferentes sistemas de portagem para o uso de auto-estradas, túneis e pontes (que iremos reportar na próxima edição), mas também em relação às zonas ambientais, e isto é causando incerteza entre um grande número de condutores de automóveis (incluindo condutores de autocaravanas e carros de reboque de caravanas).

Bélgica: Informamos sobre isso em Janeiro de 2019 (zona ambiental em Bruxelas e Antuérpia)

Dinamarca: Existem zonas ambientais em Copenhaga, Aarhus, Aalborg e Odense. Estas aplicam-se apenas a camiões e autocarros com um peso bruto permitido superior a 3,5 toneladas.

França: Zona ambiental permanente: Paris, zonas ambientais temporárias em Grenoble, Lille, Lyon, Estrasburgo e Toulouse, onde uma portagem urbano se aplica na forma de um autocolante de emissão paga (Crit'Air Vignette). Isso pode ser encomendado pelo site do Ministério do Meio Ambiente da França (www.certificat-air.gouv.fr).

Grã-Bretanha: Em Londres, há uma portagem no centro da cidade na forma da Taxa de Congestionamento de Londres das 7h às 18h. nos dias úteis. Isso pode ser pago on-line ou nos correios ou postos de gasolina com até 90 dias de antecedência. O centro histórico de Durham também está sujeito a uma taxa de portagem. Além disso, a área da Grande Londres é uma zona de baixa emissão, onde vans, veículos de mercadorias e pick-ups com um peso sem carga de 1.205 toneladas e motorhomes com um peso bruto permitido superior a 2,5 toneladas são registados antes da entrada. Carros com um peso bruto permitido de até 2,5 toneladas não são afectados.

Itália: Bolonha, Milão e Palermo têm uma taxa de cidade que deve ser paga para entrar em zonas de trânsito interno restrito (Zona a Traffico Limitato - ZTL) em determinados horários. Numerosas outras cidades e municípios também fecharam suas áreas do centro da cidade para circular ou restringiram-na a certas horas do dia. Aqui, é recomendado estacionar veículos fora da ZTL.

Croácia: Não existem zonas ambientais específicas na Croácia.

Holanda: Em Utrecht e Roterdã, os carros a diesel registados pela primeira vez antes de 2001 não são autorizados a entrar na zona ambiental, enquanto os veículos a diesel fabricados antes de 2005 foram proibidos nas áreas centrais de Arnhem desde 1º de Janeiro de 2019. para a cidade de Amsterdã.

Noruega: Existem proibições de dirigir durante todo o ano em Baerum, Bergen, Bodo, Forde, Grenland, Harstad, Haugesund, Kristiansand, Namsos, Nord-Jaeren, Oslo e Trondheim, onde a entrada no centro da cidade só é permitida após o pagamento de uma taxa de portagem da cidade.

Áustria: Existem zonas ambientais em Viena e em cinco outros estados federais, embora estas não se apliquem a carros particulares. No entanto, um adesivo de identificação de gás de escape (adesivo ambiental) é obrigatório para carros com registo de caminhão, bem como para vans e camiões. Esses veículos só podem entrar nas zonas ambientais se atenderem aos padrões de exaustão relevantes exigidos.

Polónia: Actualmente, não existem zonas ambientais na Polónia - embora sua implantação esteja sendo considerada.

Suécia: Existem zonas ambientais em Helsingborg, Lund, Malmö, Mölndal, Umea e Uppsala - embora estas apenas se apliquem a autocarros a gasóleo e camiões com mais de 3,5 toneladas.

Suíça: As zonas ambientais são desconhecidas na Suíça.

Espanha: Existem zonas ambientais em Madrid e Barcelona. Desde o final de Novembro de 2018, somente veículos com o adesivo ambiental (Distintivo Ambiental) podem entrar no centro da cidade de Madrid. Como os estrangeiros não podem comprar o autocolante ainda, eles estão proibidos de entrar na cidade por enquanto. Em Barcelona, ​​existe uma zona ambiental temporária. No caso de um alarme de poluição do ar, a entrada em toda a cidade é proibida para certos veículos a gasolina e diesel. Uma zona ambiental permanente como a de Madrid está em fase de planeamento.

República Tcheca: Existe uma zona ambiental em Praga, embora isso só se aplique a camiões com mais de 23,5 toneladas.

Se o seu país de destino não estiver incluído, pode encontrar mais informações em www.green-zones.eu"


Fonte: Camping, Cars & Caravans (D)
(Traduzido do inglês através do Google Tradutor)


Estas informações foram obtidas através da Federação Internacional de Campismo, Caravanismo e Autocaravanismo (FICC) e podem ser acedidas AQUI



domingo, 3 de março de 2019

Autocaravanismo solidário (5 Razões)





5 Razões para não comprar aos Domingos e Feriados nas grandes superfícies comerciais:


1 - Por ser um contributo que dá para a defesa da família e da saúde;

2 - Por ser uma opção pelos mais fracos e por uma melhor qualidade de vida;

3 - Por ser um contributo para a defesa dos pequenos comerciantes;

4 - Por acompanhar o exemplo de países mais desenvolvidos;

5 - Por ser benéfico para a sociedade como o afirmam representantes da igreja católica apostólica romana.


NÃO COMPRAR NAS GRANDES SUPERFÍCIES COMERCIAIS
AOS DOMINGOS E FERIADOS
É MUITO MAIS DO QUE SER SOLIDÁRIO COM O PEQUENO COMÉRCIO



NOTA (ver também):

Autocaravanismo solidário (Exemplos do norte da Europa)






segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

AS VERDADES A QUE SE NÃO FOGE



Imagem obtida em www.comregras



AS VERDADES A QUE SE NÃO FOGE


A “NAUTICAMPO” 2019, que se realizou pela 50ª vez, contou com a presença, como vem acontecendo desde pelo menos 2009 (ver AQUI), da “Associação Autocaravanista de Portugal – CPA”.

De novo num espaço autónomo, mas tendo ao lado o parceiro “Castela & Veludo – Mediador de Seguros” (parceria que permite aos associados aceder ao melhor seguro numa relação de qualidade / preço) o CPA deu as boas vindas aos muitos autocaravanistas que ali se quiseram associar.

O momento alto desta participação do CPA na “NAUTICAMPO” teve lugar durante o colóquio organizado pela Direcção sob o tema “O Autocaravanismo e a Sociedade” com a presença da “ANIMAR” (ver AQUI).

Ficámos a saber no colóquio e no decorrer da intervenção de Vítor Andrade, dirigente da “ANIMAR” (e ele próprio autocaravanista) que está em preparação uma plataforma digital de âmbito nacional com o objectivo de divulgar os eventos a desenvolver pelos produtores a nível de cada região ou localidade, proporcionando aos autocaravanistas informação diversa.

Porém, o que mais me agradou ouvir (e que a “ANIMAR” me desculpe a opção) foi o Presidente da Direcção do CPA informar publicamente que em Junho de 2018 tinha sido interposta em Tribunal uma “Providência Cautelar” contra a Postura Municipal de uma determinada Câmara (que não identificou) e na medida em que a Direcção do CPA considerou a referida Postura lesiva dos interesses e direitos dos autocaravanistas.

Mais acrescentou o Presidente da Direcção do CPA que o Tribunal tinha aceite a “Providência Cautelar” e que notificara a Câmara Municipal para a contestar, o que a Câmara fez. O CPA, dentro dos prazos legais, rebateu a contestação da Câmara, aguardando agora (desde Agosto de 2018) que o Tribunal se pronuncie.

Em qualquer circunstância, esclareceu o Presidente da Direcção do CPA, o assunto será levado a Tribunal.

Tanto quanto me é dado saber será a primeira vez que uma associação autocaravanista recorre à justiça para defender os direitos de TODOS os autocaravanistas (sócios e não sócios do CPA, portugueses e estrangeiros), não obstante ter recursos financeiros limitados. E é, perante este facto, o momento de conscientemente e com verdade, reflectirmos...

Calculo em 75% (por baixo) os autocaravanistas que não são associados em nenhuma organização de base com personalidade jurídica. Porquê?

Por inércia e comodismo?

Porque afirmam e se desculpam com o facto (falso) que as associações nada lhes dão em contrapartida?

Porque são por natureza individualistas (o que também é uma forma de egoísmo) e, consequentemente, são incapazes de assumir um compromisso associativo?

O CPA está a despender as verbas que lhe são entregues por via das quotizações dos respectivos associados para em Tribunal defender os direitos de TODOS os autocaravanistas. Uma acção meritória destes associados do CPA que não se deixam levar pela inércia e comodismo, que não evocam falsos argumentos, que assumem voluntariamente que é no associativismo que os interesses colectivos melhor são defendidos e que colocam o bem comum acima dos seus interesses imediatos.

E os outros? Os outros que se não associam por inércia e comodismo? Ou os outros que para justificar não se associarem evocam desculpas sem sentido? Ou, ainda, os outros que se não preocupam com o companheiro do lado e apenas consigo próprios? E há tantos exemplos desse egoísmo! Os que num estacionamento ocupam com a autocaravana dois ou mais lugares em prejuízo do estacionamento de terceiros; os que se não preocupam com os ruídos dos rádios e televisões demasiado altos incomodando quem está em redor; os que deixam os seus animais vaguearem livremente por tudo o que é sítio; os que despejam as sanitas às escondidas poluindo o ambiente; e tantos e tantos e tantos exemplos que poderiam ser apresentados.

E os outros?, volto a perguntar. Não se sentirão minimamente incomodados (pelo menos incomodados!) por haver quem esteja a pagar a defesa dos direitos para os quais também deveriam contribuir?

Estive na “NAUTICAMPO”. Estive no colóquio do CPA. Valeu a pena!